[ editar artigo]

O envelhecer dos gatos

O envelhecer dos gatos

Os gatos são seres nobres, elegantes e imponentes. E, por esses e tantos outros adjetivos merecem uma vida digna, sobretudo, um envelhecer a altura da sua grandiosidade.

Assim como nós, eles nascem, crescem, alguns chegam à vida adulta e envelhecem, chegando na terceira idade no aconchego do seu lar ao lado dos seus responsáveis. Sim, cá estou eu novamente usando a palavra responsável e não, dono, tutor ou proprietário, o que julgo ser pior ainda. Porque, em se falando de gatos, só os que têm a boa sorte na vida de ter um responsável que zele por sua qualidade de vida, terão condições de viver muito mais do que 11 ou 12 anos – média do tempo de vida de um gato, segundo a literatura especializada em felinos.

O gato Miguel

Assim aconteceu com o gato Miguel, um cearense que neste ano completa 25 anos, com visão e dentes intactos, como ressalta o Sr. Adail Roberto, dono da lanchonete onde vive Miguel. “Eu o crio desde filhote e sua alimentação sempre foi carne moída, e, eventualmente comida caseira. Miguel tem uma visão perfeita e os dentes intactos. Ele é muito querido e amado por todos que chegam no estabelecimento”, se orgulha Sr.Adail.

A gata Chabru

Outra que teve a mesma boa sorte foi a curitibana Chabru, uma siamesa que conheci aqui na “Cinzentinha” - como chamo carinhosamente a capital paranaense.

Essa história começou com um gatinho que vivia feliz em sua casa, mas, que um dia resolveu sair pela janela e não voltou mais. As crianças ficaram tristes e, então, a pedido dos filhos, o casal Maria Tereza e Amilton Marinho, saiu em busca de outro bichinho de estimação, mas, que dessa vez fosse uma fêmea, para que não fugisse novamente.

E assim aconteceu o encontro com Chabru, uma típica gatinha siamesa de olhos azuis, com apenas 60 dias de vida. “Pegamos a Chabru para fazer a vontade das crianças, mas acabou que as crianças cresceram, casaram e nós ficamos com ela que em dezembro de 2008 completou 23 anos de vida”, conta Maria Tereza.

Segundo ela, Chabru sempre levou uma vida saudável, repleta de carinho, amor e respeito. “Acredito que isso tenha sido favorável para o seu bom condicionamento físico, pois sempre a tratamos com muito amor. Ela dorme na cama comigo e com o meu marido em lençol térmico, e come comida balanceada. Até hoje é saudável. A única doença que ela tem é reumatismo, devido à idade, mas ainda assim, sobe e desce da cama, do sofá e continua rabugenta. Quando o Amilton ronca, ela não gosta e reclama, quando não, sai da cama e vai dormir em outro cômodo da casa”!, admira Maria Tereza.

Não sabemos se Chabru ainda é viva, não tive mais contato com sua família, mas, o que importa é que ela teve uma vida feliz.

É isso que fica! São as boas lembranças e a certeza de que é a qualidade do relacionamento que desenvolvemos com eles que oferecem alta na expectativa de vida de ambas as partes! Eles precisam de nós, assim como nós deles!

Vale a reflexão!


Siga o Canal de Estimação também no Instagram - @canaldeestimacao, e acompanhe os nossos bastidores!

Canal de Estimação
Pauline Machado
Pauline Machado Seguir

Diretora Editorial do Canal de Estimação e apresentadora do Programa de Estimação, exibido pelo RIC Play - plataforma digital do Portal de Notícias do Grupo RIC | Rede Record do Paraná. Há 14 anos desenvolve ações em prol dos animais.

Ler matéria completa
Indicados para você