[ editar artigo]

Doença do carrapato pode matar cães e gatos

Doença do carrapato pode matar cães e gatos

Os carrapatos costumam atacar em qualquer época do ano, mas a proliferação desses parasitas aumenta quando os termômetros começam a subir. Para se ter uma ideia, uma fêmea pode depositar de 200 a 300 ovos por dia em épocas de altas temperaturas. Mas, o mais assustador é que um cão ou gato picado por carrapato pode desenvolver doenças capazes de matar.

De acordo com Ricardo Cabral, médico veterinário da Virbac, laboratório dedicado exclusivamente à saúde animal, se o animal for picado por um carrapato infectado, ele pode desenvolver doenças como a babesiose e a erliquiose que provocam uma anemia muito grave. “Essa debilitação pode ter consequências irreversíveis na saúde do pet, podendo levar até ao óbito”, alerta.

O veterinário destaca, ainda, que a doença é silenciosa, e que sintomas como febre alta e manchas pelo corpo só surgem quando está num estágio mais avançado. “Por isso, os tutores devem estar atentos a qualquer sinal de apatia ou perda de apetite e levar seu bichinho de estimação imediatamente para um médico veterinário de confiança. Ele fará uma avaliação e solicitará exames para verificar se há alterações ou não”, orienta.

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico e iniciado tratamento, maiores as chances de cura. O medicamento deve ser prescrito pelo médico veterinário, pois apenas esse profissional tem condições de avaliar qual é o mais indicado para cada caso. “Dependendo do estado do animal, pode ser necessário uma terapia mais intensa, incluindo internação e até mesmo transfusão de sangue”, explica Cabral. “É importante que todas as recomendações sejam seguidas até o fim, pois o tratamento pode durar de semanas a meses”, afirma.

Como prevenir a doença

É importante destacar que o cão infectado pode transmitir a doença para os humanos, por isso, é fundamental saber como prevenir e combatê-los de forma eficaz para garantir a saúde do cão e de toda a família.

A prevenção pode ser feita com a adoção de medidas simples como manter a casa sempre limpa, dar banhos regulares e evitar passeios em locais com grama muito alta. “Quando os carrapatos encontram o cão, sobem rapidamente por sua pelagem, prendendo-se na pele e logo começam a alimentar-se do seu sangue. Por isso, sempre que retornar de um passeio, o tutor deve fazer uma inspeção visual para verificar se o animal pegou algum carrapato”, explica o médico veterinário.

Outra forma de evitar a infestação por carrapatos é a aplicação de parasiticidas na pele do cão como o Effipro e o Defendog Spray, por exemplo. O primeiro mata carrapatos e pulgas por contato, enquanto o segundo contém a permetrina, um dos princípios ativos mais eficazes contra insetos.

Canal de Estimação
Pauline Machado
Pauline Machado Seguir

Jornalista, apresentadora do programa RIC Mais Pets. Há 14 anos desenvolve ações em prol dos animais. Criadora do projeto Paz Também Para os Animais.

Ler matéria completa
Indicados para você