Animais que convivem com tabagistas também são fumantes passivos

O Dia Mundial Sem Tabaco é uma boa data para refletir sobre os malefícios do hábito de fumar. Afinal, talvez só quem não fume saiba o quanto é incômodo conviver com o cheiro forte do cigarro. Sem falar sobre os tantos graves problemas para quem é obrigado a conviver com a fumaça do cigarro sendo fumante passivo – aquele que não fuma, mas sofre com os males causados pelo cigarro da mesma forma. Para especialistas no assunto, não importa quem fuma. O que conta é quem inala a fumaça.

 

E esse alguém que respira a fumaça pode ser, inclusive, o seu bichinho de estimação. Por isso, se você é fumante e ama seu animal, saiba que o seu hábito de fumar também é prejudicial à saúde dele. Quem afirma é o médico veterinário André Richter, doutorando em cirurgia e pesquisador do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. De acordo com ele, animais que convivem com tabagistas sofrem as mesmas consequências de um ser humano fumante passivo. “Animais também são fumantes passivos, os problemas são os mesmos, e até pior, pelo fato de os animais terem o olfato muito mais apurado do que o nosso. Eles inalam mais toxinas do que nós, por isso,  os danos à saúde podem ser ainda maiores”, evidencia.

 

 

O animal que tem proprietário tabagista está propenso a todas as afecções que acontecem com os humanos, como diminuição de amplitude respiratória, colabamento dos pulmões, ou seja, quando os pulmões se colam e não expandem, ficam mais suscetíveis a pegar bronquite, pneumonia, entre todas as outras doenças respiratórias e até mesmo o desenvolvimento de doenças como o Câncer. “O problema se agrava mais ainda pelo clima frio e seco, típico da região Sul. Tudo isso ajuda a piorar muito o quadro de saúde dos animais fumantes passivos”, alerta o veterinário.

 

Portanto, a partir de agora, observe se um desses sinais estão visíveis no dia a dia do seu bichinho:

 

1 – Respiração: se está curta, sem intervalo, como se estivesse com falta de ar. Isso demonstra que o organismo dele está tentando suprir a falta de oxigênio, devido aos pulmões não estarem conseguindo extrair do ar.

 

2 – Mucosa roxa: se as gengivas e língua estiverem roxas, é um sinal de problema respiratório.

 

3 – Emagrecimento: o animal com problemas respiratórios sente um incômodo incessante, com isso não tem força para comer, não se alimenta direito e, como consequência emagrece.

 

Caso perceba algum desses sintomas, leve imediatamente ao veterinário, de preferência a um hospital, por ter mais recursos, aparelhagem e equipes para fazer radiografia e todos os exames e medicamentos necessários para este quadro.

 

Desta forma, se você é fumante e seu animal fumante passivo, tome alguns cuidados para preservar a saúde e bem-estar do seu amigão, orienta o veterinário. “Evite compartilhar a mesma área com o animal quando estiver fumando, muito embora, o tabaco exale pela casa inteira. O correto é que o animal fique em uma área separada para preservar a saúde dele. Um local ao ar livre por exemplo, para que possa respirar em uma área de escape seria o ideal, ou que o fumante crie o habito de fumar fora de casa, como acontece nos estabelecimentos hoje em dia, em que o fumante se desloca para um local designado para este fim, normalmente conhecido como fumódromo”, enfatiza e finaliza.

 

Por Pauline Machado, jornalista e Diretora Editorial do Canal de estimação.